19) Breve História da Astrologia



Reinaldo José Lopes, prêmio Jabuti em ciências, contou esta história que resumi aqui:

 

Por séculos, os pensadores tentaram entender a ordem do Cosmos e suas influências. Até que a astrologia e a astronomia se divorciaram com brigas e a ciência moderna virou inimiga da sua “ancestral”.

 

Antes disso, Brahe e seu discípulo Kepler estudavam a conexão entre o Universo e a vida humana, dizendo que o melhor jeito de encontrá-la era traçar um mapa astral. Se eles não fossem a dupla que fundou a ciência moderna, ao lado de Galileu e Newton, suas  anotações sobre astrologia não teriam importância. 

 

Muito antes, o fascínio pelos movimentos dos astros, como o deslocamento do Sol no Céu, já estava nos desenhos das cavernas antigas e numa estatueta de 30 mil anos representando a constelação de Órion. Há monumentos Neolíticos que calculam os solstícios e preveem as mudanças no clima e na natureza. Assim como os babilônios e assírios (1000 a.C.) previam eclipses e faziam predições. É dessa região que temos notícia do mapa natal mais antigo (410 a.C.).

 

Os conhecimentos mesopotâmicos se espalharam para o Egito, Grécia e persas, lar dos magos estudiosos da astrologia que dariam origem à história dos Reis Magos, hoje comemorados com o dia do astrólogo.

 

Com Alexandre, o Grande, o conhecimento astrológico e astronômico foi unificado e padronizado, sendo abraçado com entusiasmo quando Roma chegou ao poder. Nesta época, Ptolomeu e outros astrólogos estabeleceram a divisão da astrologia em 4 ramos (imagem final).

 

A partir do séc. 7, os árabes traduziram e ampliaram as principais obras ligadas à astrologia e demais ciências da época.  E com as cruzadas, as obras em árabe, traduzidas, impulsionaram avanços das ciências e das artes.  O ápice desse desenvolvimento foi conhecido como Renascimento, com alguns dos principais cientistas praticando a astrologia. 

 

Com o avanço da astronomia,  no entanto, o conhecimento da vastidão do Cosmos estraçalhou o modelo astrológico. Mas ainda não explicou o que os ancestrais já sabiam: estamos  conectados a tudo, mesmo que a ciência moderna ainda não consiga explicar co(s)mo.

 

Mônica Clemente (Manika)


 

#Astrologia #CiênciaModerna

 


Comentários